Monte Verde, um pedacinho da Letônia no Brasil

Que tal passar um final de semana ou vários dias na cidade fundada por imigrantes da Letônia que sentiam saudades de sua terrinha e encontraram um local parecido com a sua terra natal, tanto no quesito paisagens como no clima, aqui pertinho de São Paulo, mais precisamente à 160km da capital?

E dá para acreditar que a Letônia um dia foi parecida com o Brasil!? Ou melhor, que a nossa queridinha  Minas Gerais um dia lembrou a Letônia? Não à toa Monte Verde recebe milhares de turistas durante o ano todo, principalmente no inverno! Afinal, não é todo dia que descobrimos que a Europa fica logo ali!

A cidade apesar de pequenina é muito aconchegante e acolhedora. A variedade e quantidade de acomodações é incrível: para todos os gostos e bolsos! Lá é possivel encontrar desde casa na árvore – acredite! -, cabanas, chalés, pousadas, hotéis de luxo e resorts. Opções hoteleiras com lareiras é o que não faltam, então escolha bem seu hotel e deixe-se levar pelo clima romântico de Monte Verde.

A área mais badalada – onde está a maior parte do comércio da cidade -, se concentra em toda a extensão da avenida principal, que leva o nome da cidade – Av. Monte Verde. Lá é possível encontrar praticamente de tudo: roupas e acessórios para o frio, souvenirs, cachaça artesanal, licores, vários rótulos de vinhos, queijos, salames, doces, além de muito, mas muito chocolate!!!

Os bares e restaurantes mais concorridos também se concentram nesta avenida. Por isso, na hora de sair para o jantar ou curtir a noite, chegue mais cedo no centrinho, para garantir sua vaga – tanto de carro, quanto de mesa -, pois a cidade tem lotado e as filas de espera em alguns restaurantes podem chegar até 2 horas.

Gastronomicamente falando, a cidade conta com uma gama enorme de restaurantes, onde você vai poder saborear pizzas, carnes, muitas trutas, e, claro, o tão procurado fondue! Praticamente todos os restaurantes e bares da cidade oferecem o famoso rodízio ou seqüência de fondues, então fiquem tranquilos que queijo e chocolate é o que não falta por lá!

Casais em busca de clima romântico são o público fiel da cidade, a qual também recebe milhares de famílias que amam a natureza e viajantes aventureiros! E aí, novamente, existem opções para todos os gostos e fôlegos! Quer cavalgar? Lá é possível! Prefere passear motorizado? Ok, basta escolher seu jipe ou quadriciclo e encarar as trilhas! Gosta mais de caminhar? Sem problemas, existem várias trilhas na cidade, de nível fácil, moderado e difícil, onde o objetivo é sempre, claro, chegar nos picos mais altos para apreciar a incrível vista da Serra da Mantiqueira.

Dica do MuG: Caso vá fazer as trilhas, saiba que o clima de Monte Verde é bem instável. Ou seja, aquele solzinho pode dar lugar às nuvens, o chuvisco pode durar o dia todo, a neblina pode ir embora do nada, e voltar mais rápido ainda! De qualquer maneira, nada melhor que uma boa caminhada na natureza para recarregar as energias. Ah! E esteja preparado para as caminhadas em dias nublados, pois geralmente a vista das montanhas é lindamente substituídas por neblina – o que faz o turista ter a sensação de estar por cima das nuvens!

Falando um pouquinho mais sobre as trilhas, confira as caminhadas mais famosas de Monte Verde e não deixe de conferir o mapa abaixo para programar o melhor passeio para você!
Pedra Partida – 2050 metros;
Pedra Redonda – 1990 metros;
Chapéu do Bispo – 2030 metros;
Platô – 1900 metros;
Pico do Selado – 2080 metros;

A trilha da Pedra Redonda é a mais kids e family friendly, ou seja, ideal para crianças e famílias que querem conhecer a região, sem a necessidade de grandes esforços físicos. Já o Chapéu do Bispo, Platô e Pico do Selado, são famosos pelo grau mais intenso de aventura. A equipe do MuG resolveu se jogar na trilha sentido Pedra Partida, mas algo importante a ser dito: não é uma trilha fácil para dias chuvosos. Em dias mais secos, ok. Mas chuvosos, se prepare para muita lama e esforços físicos além do comum, para uma simples trilha.

Embora muitos já tenham feito o mesmo trajeto tranquilamente, realmente o clima influencia muito na hora da caminhada. Use tênis ou sapatos próprios para trilhas e, se possível, leve um pole (estaca) de escalada, pois pode ser que você precise. Roupas térmicas e corta-ventos também fazem a diferença. Outra dica muito importante: evite se aventurar sozinho! Caso esteja só, se juntar a outros aventureiros também é uma opção! Afinal, trilha é sempre trilha e você pode – e não quer – se perder!

Apesar de conter algumas placas indicando a direção durante todo o percurso, as mesmas não são suficientes para se chegar até o destino final com tranquilidade. Pelo contrário, a falta de placas em trechos importantes como bifurcações, faz muitos viajantes, até os mais experientes, se perderem por lá. E foi exatamente o que aconteceu com a equipe do MuG, quando dois se confundiram em uma bifurcação e,  ao longo da trilha – errada -, encontrou dois grupos com dez pessoas perdidas. Por isso, preste bem atenção em cada pedra, folha e árvore que passar! Além disso, alguns anjos colocaram fitas vermelhas ora também amarelas nas árvores, indicando o caminho. Mas, não conte com esta ajuda na hora em que estiver perdido, pois provavelmente não terá nenhum sinal, nem de fumaça, muito menos Internet.

Neste exato momento há muitos trechos com a mata bem fechada, por falta de cuidado da própria cidade, infelizmente. Por isso, caso encontre trechos ‘semi-fechados’ por bambus, saiba que há grandes chances de estar no caminho certo, mas você terá que se abaixar e abrir a mata com os próprios braços, para poder passar.

O tempo total do percurso pode variar de acordo com diversos fatores, como tamanho do grupo, experiência, ritmo dos aventureios, clima, e, principalmente, de acordo o número de fotos e vídeos que fizer, entre outros fatores. Mas, em média, leva-se 90-120 minutos para curtir a trilha desde sua entrada  até o cume da Pedra! Então reserve no mínimo 3 horas do seu dia a este passeio, desconsiderando o tempo de ‘descanso’ no pico mais gostoso da região!

Quer saber mais sobre a cidade? Então conte também com as dicas e informações turísticas da AHPMV – Associação de Hotéis e Pousadas de Monte Verde, que fica logo na entrada da cidade, após o Portal.

E aí? Como anda seu inverno?
Coloque um casaco na mala e boa viagem!

0 Comentários

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *